A S S O C I A Ç Ã O   D E   D E F E S A   D A   S A Ú D E   D O   F U M A N T E       Tornar página inicial     Adicionar a Favoritos

Fundada em Fevereiro de 1995
Declarada de Utilidade Pública Municipal

 Inicial         Contato        Filie-se

 

   

Artigos

Guerra ao tabagismo

ANTÔNIO ERMÍRIO DE MORAES

A INCIDÊNCIA do tabagismo varia bastante no mundo. Nos Estados Unidos, o hábito de fumar caiu muito e chegou a apenas 19% da população. Na Inglaterra, são 27%, e na Alemanha, 34%. Nos países asiáticos é superior a isso. Esses dados referem-se apenas à proporção da população que fuma, e não ao quanto fuma. Dois economistas de Harvard tentaram explicar essas diferenças pelo diferencial de preços. Falharam, pois o cigarro é muito mais barato nos Estados Unidos do que na União Européia. Partiram em seguida para a renda.

Os pobres deveriam fumar menos por falta de recursos. Também falharam, pois países de renda baixa apresentam grandes quantidades de cigarros fumados. Enquanto os fumantes dos Estados Unidos consomem 1.230 cigarros por ano, os da China consomem 1.446, os da Rússia, 2.058, os da Bulgária, 2.693 e os da Grécia, 3.131. Finalmente, os dois pesquisadores chegaram à conclusão de que a drástica redução alcançada nos Estados Unidos deveu-se às boas campanhas educativas, aos programas de comunicação de massa e às repercussões dos litígios contra os fabricantes de cigarro, nos quais são exibidas provas pavorosas dos estragos provocados pelo fumo (David Cutler e Edward Glaeser, "The Economics of Smoking", "The Economist", 29/4/2006).

No Brasil, deu-se o mesmo, embora haja um longo caminho a percorrer. Graças às várias campanhas, a proporção de fumantes nas principais capitais caiu de 33% para 17% no período 1989-2004. Entretanto os adolescentes passaram a fumar mais e são em maior quantidade. Esse problema aponta para que se intensifiquem as referidas campanhas, direcionando-as cada vez mais para esse segmento da população. Afinal, cerca de 20 doenças são causadas pelo fumo, entre elas o câncer do pulmão, as cardiopatias e os problemas vasculares.

O Brasil gasta, aproximadamente, US$ 1,5 bilhão anualmente para tratar as moléstias do tabagismo. Mais importante é a perda de vidas valiosas. Entre nós, morrem cerca de 200 mil pessoas por ano devido a essas doenças. Aqui vai um alerta aos pais e aos professores. Virou moda a formação de rodinhas de alunos nas portas das escolas para fumar cigarros -para dizer o mínimo.

É exatamente na escola que se devem intensificar as campanhas antifumo e antidrogas de modo geral. Essas campanhas precisam focalizar a juventude. Não podemos esquecer que o cigarro é uma das drogas de mais fácil dependência e, por isso, temos de combatê-la a todo custo.

@ - antonio.ermirio@antonioermirio.com.br

Fonte: Folha de S. Paulo, 18 de junho de 2006

 

© Copyright 2008 - ADESF - Melhor visualizado em 1024x768 pixels - Desenvolvido por Ivan de Castro